Devido ao alto número de violência contra homossexuais, as instituições representativas de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros (LGBTs) estão preocupadas em Uberlândia. Em 15 dias, três gays foram encontrados mortos, sendo dois deles com registros de desaparecimento dias antes dos corpos serem localizados.

O departamento jurídico do Grupo Shama, que atua em defesa dos direitos humanos da população LGBT, e a Comissão de Direitos Humanos da OAB Uberlandia estão acompanhando as investigações.

A ONG também pretende trabalhar a conscientização por meio de campanhas, especialmente voltadas ao uso de redes sociais e aplicativos de relacionamento.  “Pelo que tenho acompanhado, os casos podem ter ligação com encontros marcados por esses aplicativos e, quem sabe, se tratar de um mesmo grupo criminoso ou uma mesma pessoa. Então a gente precisa de uma campanha de conscientização”, disse o presidente da ONG Shama, Edmar Sierota.

Por meio de nota, o Grupo de Apoio as Diversidades e a Integração Social (GADIS) declarou grande preocupação devido aos trágicos acontecimentos envolvendo homossexuais e disse estar elaborando carta junto às demais organizações de defesa de Direitos para cobrar maior rigor na apuração dos fatos casos, para que não se tornem apenas estatísticas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO