Isabel e Frederica são a prova viva de que o amor realmente vence! Elas são ex-freiras franciscanas e se conheceram fazendo trabalho missionário. Uma das esposas é filosofa e fez trabalho missionário ao redor do mundo. A outra cuidou dos pobres e de dependentes químicos. Apesar da união civíl ter sido comemorada na cidade, elas não conseguem a bênção de sua igreja.

“Deus quer que as pessoas sejam felizes, e vivam seu amor à luz do dia”, declarou Isabel ao jornal italiano La Stampa.

“Pedimos que nossa Igreja acolha todas as pessoas que se amam”, completa Federica.

Isabel e Federica conheceram-se há três anos, quando trabalhavam juntas como missionárias na América do Sul. Elas pediram para que se omitisse seus sobrenomes.

“Não é vergonha, mas medo do preconceito. Não queremos nos tornar celebridades, apenas viver pacificamente em sociedade e encontrar novos empregos logo. Abandonamos o mosteiro, mas não abandonamos a Igreja e não esquecemos nossa fé.”

A cerimônia civil foi acompanhada de um rito religioso comandado por Dom Franco Barbero, padre que foi excomungado pelo papa João Paulo II por publicamente discordar da posição da Igreja Católica quanto à maneira de se tratar a população LGBT. “Ainda me sinto um sacerdote até a medula”, afirmou. “Amo minha Igreja, e continuo a ser padre em tempo integral. Escrevo livros, cuido de um blog e mantenho contato com vários sacerdotes que pensam como eu. Foi por meio dessa rede que conheci Isabel e Federica.”

Barbero conta que a história das duas ex-freiras nasceu “como todas as histórias de amor do mundo: lentamente, conhecendo uma à outra, compreendendo uma à outra. Será bom tê-las aqui em nossa comunidade de contemplação e oração.”

Imagem ilustrativa

Foto: Reprodução Internet

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO