Mostra Excêntrica integra o projeto ‘Minha Casa Tem Armários’, do Coletivo Cultural Sankofa, que surge na perspectiva de identificar, difundir e democratizar o acesso à produção da cultura LGBT nas periferias; projeto é financiado pela Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo *São Paulo, outubro de 2016 – *Comprometido com a crítica social aos modelos que inferiorizam e desumanizam as pessoas, o Coletivo Cultural Sankofa, formado por artistas educadores, promove pelo quarto ano consecutivo a Mostra Excêntrica como parte do projeto ‘Minha Casa tem Armários’. Com programação exposição de artes, espetáculos teatrais e debates com nomes de destaque dentro da militância LGBT, o evento acontece dias 29 e 30 de outubro na sede do coletivo, que fica rua Pangauá, 669, Vila Ré, zona leste de São Paulo. Este é o primeiro ano que a mostra contará com artistas de fora de São Paulo.

A IV Mostra Excêntrica surge na perspectiva de identificar, difundir e democratizar o acesso à produção da cultura LGBT nas periferias. “Ao reunir um grande número de artistas e pessoas engajadas na causa durante dois dias, queremos consolidar a Mostra como um dos maiores eventos LGBT no calendário da periferia, a exemplo do que já acontece no Largo do Arouche”, explica Anderson Maciel, membro do Coletivo e responsável pela concepção do projeto onde a Mostra está inserida. Nas duas primeiras edições, a Mostra Excêntrica atingiu um público de mais de 2 mil pessoas, entre artistas e comunidade.

Já na abertura da Mostra, dia 29, o tema ‘Representatividade LGBT nas periferias’ será discutido por Ezio Rosa, escritor independente, gay, negro e integrante do bloco afro Ilu Obá de Min, e Luana Hansen, DJ, MC, produtora musical, lésbica, feminista e ativista na Mesa Excêntrica. Ainda no sábado, a cia. Façamos Assim, do ABC paulista, apresenta a peça Réquiem. O espetáculo Prática de Montação, resultado de pesquisa proposta por alunos da Unirio (RJ), encerra a programação do primeiro dia.

No domingo, a Excêntrica segue com programação festiva com performances da drag queen Yasmin Carraroh, conhecida pela participação no programa Academia de Drags, show do cantor andrógeno Venus Pop Alien, batalha do Slam das Minas, além da performance Dossiê (IN)Visibilidade, do artista e pesquisador Rafael Barros, de Porto Velho/Rondônia. O show de encerramento ficará por conta de Linn da Quebrada, artista trans, negra e da periferia.

Este ano a Mostra Excêntrica contará com a presença da Unidade Móvel de Cidadania LGBT, dando apoio e tirando dúvidas de todos os presentes. Confira a programação completa:

PROGRAMAÇÃO

Sábado (29) – lotação máxima 50 pessoas

15h – Conversa Informal entre os Grupos participantes da Mostra

16h – Mesa Excêntrica – “Representatividade LGBT nas periferias” com Ezio Rosa e Luana Hansen

17h30 – Coquetel de Abertura da Mostra

18h30 – Espetáculo “Requiém”

19h30 às 20h30 – Exposição na Parte externa. Performance “Chronos”;

20h30 – Espetáculo “Prática de Montação”

Domingo (30)
15h – Show de Venus Pop Alien

15h30 às 16h10 – Dossiê (IN)Visibilidade

16h15 – Show de Yasmin Carraroh

17h40 às 18h30 –  Slam das Minas

18h30 – DJ Caio Dias

19h30 – Show de Encerramento – “MC Linn da Quebrada”

SOBRE O COLETIVO SANKOFA 

Sediado na zona leste da cidade de São Paulo, o Coletivo Cultural Sankofa é formado por artistas-educadores que, desde 2012, pesquisam e desenvolvem ações em arte e educação sobre diversas questões relacionadas aos Diretos Humanos. Desde então, busca por meio da experiência poética e política a própria maneira de expressão como coletivo, comprometido com a crítica social aos modelos que inferiorizam e desumanizam as pessoas. A Sede do Coletivo Cultural Sankofa fica na rua Pangauá 669, Vila Ré, próxima à Estação Patriarca do Metrô.

DEIXE SEU COMENTÁRIO