A Parada da Diversidade mudou de nome e de percurso neste ano em Florianópolis. Agora, o evento se chama Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Trangêneros) e vai sair da Avenida Beira-Mar Norte em direção do Centro Histórico. É a décima edição da marcha na Capital Catarinense. A autorização da Prefeitura de Florianópolis saiu apenas no fim da tarde desta sexta-feira (9). A expectativa da organização é de reunir 5 mil pessoas. O tema desta edição é “Na diferença somos todos iguais”. “Comunicamos a prefeitura e a Polícia Militar por meio de ofícios e vamos nos reunir como tantas outras manifestações. Quem for vai perceber que será um evento diferente dos anos anteriores, sem um centavo do dinheiro público. Não teremos trio elétrico de R$ 25 mil e nem show nacional”, explicou o organizador Ricardo Medeiros.

A concentração acontece a partir das 11h de domingo, no bolsão de estacionamento do Monumento ao Soldado da Polícia Militar, na Avenida Beira-Mar Norte. A partir das 17h, os organizadores estão programando a execução do hino nacional e o pronunciamento da militância. A marcha está programada para as 17h30min. Ela segue até a Praça 15 de Novembro, onde um show encerra a parada, às 21h. A apresentação do evento ficará a cargo da “Drag Queen” Dindry Buck, de São Paulo (SP).

Segundo Ricardo Medeiros, a mudança do nome da parada tem como objetivo deixar a marcha mais cidadã. O trajeto também foi alterado. Ao invés de seguir pela Avenida Beira-Mar Norte, a parada vai ocupar ruas centrais, como a Alves de Brito e a Mauro Ramos. “A parada é totalmente gratuita, que tem por finalidade discutir, fomentar, vencer preconceitos e promover vida digna à comunidade LGBT e de todas as minorias“, afirmou.

O secretário do Continente, Aurélio Rocha dos Santos, informou que a organização da parada procurou a prefeitura somente na quinta-feira (dia 8). Ele disse que os documentos necessários foram entregues no fim da tarde de sexta-feira. “O evento está confirmado, porque conseguiram reunir a documentação”, explicou o secretário.

parada_lgbt_do_rio_mais_antiga_do_brasil_deve_ser_cancelada_2016

DEIXE SEU COMENTÁRIO