Entre os episódios que marcaram a Rio 2016 e sua proximidade com as causas “gay friendly” estão desde pedidos de casamento, até homenagens e demonstrações de afeto entre os atletas mundiais de diferentes modalidades.

Relembre cinco momentos que  marcaram os jogos com exemplos de respeito à diversidade:

1- Transgêneros participam do revezamento da tocha olímpica
bianca_lins
Laerte, cartunista e chargista, participou do revezamento da tocha olímpica e destacou a importância de fazer parte desse momento. “Eu sou muitas pessoas. Sou artista, jornalista, sou uma pessoa transgênero também. A segunda pessoa transgênero a conduzir a tocha. Isso tem um sentido, um significado de que o Comitê compreende a questão das pessoas transgêneras”.

A primeira a representar a comunidade LGBT durante o revezamento foi Bianka Lins, professora transexual mineira. Não foram apenas as duas que tiveram esse privilégio: Jordhan Lessa, guarda municipal transexual, participou do evento já no Rio de Janeiro.

2- Homens anônimos se beijam nas ruas da cidade sede
beijo1
Na Cidade Maravilhosa, dois homens se beijaram nas ruas de Ipanema durante o revezamento. Eles não tiveram os nomes ou as orientações sexuais reveladas.

3- Modelo transexual participa da cerimônia de abertura do Jogos

lea-t-1
De bicicleta, Lea T. esteve à frente da delegação brasileira durante a cerimônia de abertura dos Jogos no estádio do Maracanã. “Estou superfeliz com o convite e consciente da responsabilidade que é estar em um evento tão importante como esse, não só pela história das Olimpíadas, mas também pelas Paralimpíadas”, disse a modelo.

4 – Pedido de casamento olímpico

Rugby - Women's Gold Medal Match Australia v New Zealand
Marjorie Enya, voluntária na Rio 2016, pediu em casamento a namorada, Izzy Cerullo, atleta da equipe brasileira de rugby. Foi uma surpresa para a amada e para todos. Depois de ouvir o “sim”, o beijo das duas correu o mundo.

5 – Atletas não escondem orientações sexuais

2016-08-08t205745z_882877575_rioec881m7uyg_rtrmadp_3_olympics-rio-judo-w-light
A primeira medalhista de ouro do Brasil na competição, a judoca Rafaela Silva, falou abertamente sobre a importância da namorada, Thamara Cezar em sua trajetória. As duas estão juntas há três anos. Larissa França e Lili Maestrini, jogadoras brasileiras de vôlei de praia, são casadas. O paraense Ian Matos, dos saltos ornamentais, e Julia Vasconcelos, do taekwondo, também assumiram a homossexualidade.

A lista continua e conta com nomes como o britânico Tom Daley, dos saltos ornamentais; a americana Elena Delle Donne, do basquete; a britânica Nicola Adams, do boxe; as britânicas Helen Richardson e Kate Walsh, do hóquei sobre grama.

“É o reconhecimento de uma identidade que sempre ficou marginalizada. Elas estarem lá é reconhecer que essas pessoas são cidadãs, que merecem estar ali ou em qualquer lugar onde elas queiram estar. É uma questão de reconhecimento e empoderamento. Isso é muito importante neste momento de retrocesso que vivemos, com políticos ainda com pensamentos muito retrógrados”, destaca Renata Feital, socióloga, professora da Universidade Veiga de Almeida.

Com informações da Agência Brasil

DEIXE SEU COMENTÁRIO