Esther Barrabeig, 29 anos, chegou a Madri há alguns dias para passar um tempo rápido de férias com amigos, e volta neste domingo à sua cidade, Tarragona, com muito mais dinheiro do que quando saiu. Mil euros (cerca de 4.000 reais) é o valor do prêmio que essa estilista e garçonete conquistou por sua maestria em colocar preservativos. “Ignorava essa minha habilidade”, brinca ela, em entrevista ao El País.

Esse torneio bem peculiar foi realizado na quinta-feira, em Chueca (Madri), em sua segunda edição, por ocasião das festividades do Orgulho Gay. É o Campeonato de destreza e rapidez em Colocar Preservativos. “Entre os espanhóis, 26% sempre arranjam uma desculpa para não usá-lo”, afirma o Control, que organiza a atividade. Esther Barrabeig não pertence a esse percentual.

1467374755_800561_1467451936_sumario_normal_recorte1

A jovem passava por ali na hora certa. “Por que não?”, ela se perguntou. E, na velocidade do vento, conseguiu colocar 11 preservativos em um minuto em consolos de plástico instalados para a ocasião: são 5 segundos por preservativo. O vencedor do ano passado chegou apenas a nove. Vitória inconteste de Esther, “Contei para toda a minha família. Não tenho nenhuma vergonha disso”, admite, orgulhosa. E revela o truque para alcançar a sua genial realização: “Lavar as mãos. Secá-las muito bem. Que tudo esteja bem limpo e sem umidade. Abrir o preservativo é mais difícil do que colocá-lo. Em seguida, você tem de colocá-lo de uma vez só, com determinação, porque ele tende a voltar para cima. Usei guardanapos de papel para limpar o lubrificante entre um e outro. O segredo está na limpeza”.

O preservativo é o método contraceptivo preferido pelos espanhóis, embora ele ainda seja cercado de falsos preconceitos, como o de que tira a sensibilidade (os estudos derrubam esse argumento), e uma certa ignorância na hora de escolher o momento oportuno para o seu uso: “Muitos casais o colocam depois de ter ocorrido a penetração, daí o risco da gravidez e também de transmissão de alguma infecção. É preciso colocá-lo sempre antes”, afirma a sexóloga María Esclapez. Há outros métodos contraceptivos, embora nem todos sejam realmente seguros.

Com informações do El País

DEIXE SEU COMENTÁRIO