O uso da “pílula do dia seguinte” do HIV aumentou em 186% do início de junho até o fim de novembro em comparação ao mesmo período do ano passado. A profilaxia pós-exposição (PEP, na sigla em inglês) pode ser usada por pessoas que tenham sido expostas ao vírus HIV – tanto profissionais da saúde que tiveram contato com o sangue de soropositivos por acidente quanto pessoas que tiveram relações sexuais de risco – para impedir que o vírus se instale no organismo. A estratégia só funciona se iniciada até 72 horas após a exposição.hiv_celula

Foram 10.419 casos de uso de PEP no Brasil entre junho e novembro deste ano. No mesmo período de 2014, a PEP tinha sido usada em 3.646 casos. O aumento se deve, segundo o médico Fábio Mesquita, diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, às regras que facilitaram a prescrição da PEP, que entraram em vigor em julho.

A “pílula do dia seguinte” do HIV já estava disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) desde a década de 1990, mas as novas diretrizes simplificaram seu uso: desde julho, não é mais preciso um especialista em Aids para dispensar a PEP.

O dado foi divulgado pelo Ministério da Saúde sobre a situação da Aids no país. “Agora as pessoas sabem mais sobre essa possibilidade e procuram como a uma alternativa de prevenção contra o HIV”, disse Mesquita.

DEIXE SEU COMENTÁRIO